(...)

"Mas eu não quero ir ter com os loucos", observou Alice.
"Não tens alternativa". Retorquiu o Gato.
"Nós aqui somos todos loucos. Eu sou louco, tu és louca".
"Como é que sabes que eu sou louca?" perguntou Alice.
"Deves ser", disse o Gato, "ou não terias vindo até aqui".

20090430

Necessidade (>_<)

("Homenagem ao Acto de que Ninguém pode Prescindir" ou "Uma Merda de Poema")


Um vasto vazio preenche agora
Meu ser povoado de branco,
As horas passam sem demora
Pregando-me a este gasto e sujo banco.

Tripas revoltam-se ferozmente
Emitindo timbres agonizantes…
Do outro lado oiço: “Urgente!”,
Entre ligeiros gemidos, impacientes.

Tento erguer-me deste sentir,
Mal-estar distintamente causado
Por manchas de negro reluzir,
Expelidas, de meu rabo sentado...

“Já saio.”

2 comentários:

Lviz disse...

Se existem alturas em que não devemos forçar algo como a escrita, então, esta foi sem dúvida uma delas... porém, quis partilhar este momento com quem o quiser ler.

p.s. - não coloquei imagem juntamente com o poema por motivos óbvios.

(Espero que gostem... lol)

Angelo Morgado disse...

bom ...
tens que ser alguem extraordinario,
para conseguires transformar o acto de cagar em poesia pura !!!!!!!