(...)

"Mas eu não quero ir ter com os loucos", observou Alice.
"Não tens alternativa". Retorquiu o Gato.
"Nós aqui somos todos loucos. Eu sou louco, tu és louca".
"Como é que sabes que eu sou louca?" perguntou Alice.
"Deves ser", disse o Gato, "ou não terias vindo até aqui".

20090505

Auto-Retrato a uma Cabeça Decepada, em 5 Partes Fugazes


(Feito a partir d'uma ideia algo apodrecida na minha cabeça e o impulso causado pelo sublime ambiente músical de Löbo - http://www.myspace.com/lobodoom )


(i.)
Misantrópico paradoxo
Ou uma amalgama humana,
Inexistêncialismo contraditório
Dotado de consciência…
Sou(?) no meio de tantos,
O que tantos foram no meu meio…
Reneguei ideais e “ismos” e santos,
Porém, guardei-os no meu seio…


(ii.)
Uno, desfaço-me em coisa alguma:
Sou ecos fragmentados,
Fornicados p’lo dogma…
Sou átomos desarticulados…
Algo crente na descrença
Que crio qual doença,
Matei os meus “eus”
Criando um outro falso deus,
E para (talvez) me libertar…
Acorrentei-me ao meu gritar:

( “Sou-o, revolução decibel e agressivo!”
Disse-o urrando e a berrar,
“Fui-o…” – fatigado e aborrecido,
“Estou prestes a cessar…” )


(iii.)
Durmo sabendo-me acordado,
Movo-me sem saber se fui sonhado,
Inventei seres, certezas e alegorias
Pois perdi a lembrança dessas memórias…
Que por medroso ser criei…
Pior! Pois absurdo acreditei
Não conseguir ânimo para dizer
À criança dentro de mim (que cessou de engrandecer),
Que tinha de morrer, enfim…
Criança ela, que nunca cuidou ser morta por mim…

Presumível feto, definhou (sem) o Ser no ventre oco...
Aborto imaginário tornado realidade d’um louco.


(iv.)
…iremos todos amanhã perceber.
Amanhã, quando me esquecer de ser.
Quando a carcaça abandonar o ser incolor
E o pensar for apenas mais um fétido odor…
Mas por agora, Inexistêncializo-me aqui em baixo.
Vou-me esconder debaixo do meu seixo,
Morno desconsolo e aconchegante,
Porque só ele sabe acalmar este desconforto lancinante.


(v.)
Insânia paranóia
Vago descontrolo
Insónia ilusória…
Ilusório é o controlo.
Pois não foi nunca meu cadáver
Que a gravidade tem puchado…
Mas sim o cheiro de minh’alma,
Presa, neste feio lugar descuidado.

5 comentários:

Angelo Morgado disse...

não deixas nunca de surpreender !!!!!

Victor disse...

Olá!

Mas que texto arrepiante, Luís! Decerteza que os elementos da banda Löbo iriam gostar de o ler.

É muito curioso... à medida que vagueava pelos teus versos, tive várias recordações do som dos Löbo, já que usaste palavras muito bem colocadas... quem já sentiu o som da banda e tomado atenção aos títulos das músicas, decerteza que terá uma outra apreciação das tuas palavras. Contúdo, a interpretação é livre - não é obrigatório ouvir o EP "Alma".

Muito bonito e intenso, Luís.
Entendo bem os teus versos; embora o meu entendimento seja uma tradução do teu entendimento/sentimento.

Abraço!
Victor

PS: estou seriamente a pensar ir ver os Löbo e os Men Eater a Vouzela; CATARINA!!! Deves ir!!

Lviz disse...

Obrigado Ângelo e Victor.

Victor, antes de mais agradeço-te por me teres falado desses senhores. Desde à muito que gosto de doom e posso dizer que até conheço bastantes bandas muito boas no género...mas Löbo surpreendeu-me muito! penso que foi algo parecido com aqueles sonhos em que estamos a cair numa especie de buraco escuro...mas em que nunca chegamos realmente ao fim dele... e é cá uma viagem até la baixo!

Bem, espero ansioso por Vouzela para viver essa viagem ainda mais intensa. Pode ser que nos encontremos todos por lá... Vou tentar falar também com a Catarina...

Abraço e (se calhar) até Vouzela!
Luís

Victor disse...

Sim... a viagem é muito intensa e interessante; e o mais curioso, é que repeti várias vezes seguidas!

Também sou um grande amante do género, e outra bandas me têm surpreendido pela positiva. No ano passado descobri duas muito interessantes ao ouvir um programa de rádio aqui de Aveiro: "Cais do Paraíso" - elas foram ESOTERIC e MAR DE GRISES. A primeira exige de mim... tudo! Ela exige de mim entrega total e não parcial. A segunda... não há palavras. Se nao conheces tenta arranjar ou fala comigo (lol). No meu MySpace estou a reunir as bandas e artistas que me têm surpreendido - a última foi [Feedbacker~]; não é Doom, mas praticam um som que tenho vindo a descobrir ultimamente: o drone/ambiental [Boris; Sunn o))); entre outras...].

Espero, assim que poder, escrever algumas sinopses sobre alguns trabalhos verdadeiramente surpreendentes; publicarei no blog.

Mais uma vez obrigado por todo este feedback... obrigado a todos!

Quanto a Vouzela, a minha ida dependerá de vários factores... mas sobre isso conversa-se depois.

Abraços!

Victor

Melo disse...

Olá Luís.
Desde já agradeço a tua amabilidade e é com naturalidad, satisfação e muita honra que fico a saber que vais adicionar as minhas trevas à tua inconsistência e incoerência.

Com a tua permissão farei o mesmo.

Ab,
h.