(...)

"Mas eu não quero ir ter com os loucos", observou Alice.
"Não tens alternativa". Retorquiu o Gato.
"Nós aqui somos todos loucos. Eu sou louco, tu és louca".
"Como é que sabes que eu sou louca?" perguntou Alice.
"Deves ser", disse o Gato, "ou não terias vindo até aqui".

20100323

sem-título7



De mansinho,
Rosno imoderado para dentro do teu ser
E ranjo as mandíbulas pausadamente
Enquanto cerro os punhos de prazer.
Escuto o teu bater em que se sente
O meu eu dentro das tuas vísceras
Retraídas num espasmo dilatado,
Inconsequente das próximas pancadas
Consumidas num acto adocicado.
Rasga-me a pele:
“Mais, raios! Mais!”
Para em seguida inalarmos o fel
Segregado por poros em triunfais
Corpos colados.
Cobiçados, estrangulados.
Amadas pupilas incandescentes.
A dor não é nunca sentida,
Mas sim nos olhares urgentes:
Em verdade Cantada!

5 comentários:

silvia_words disse...

muito intenso e belo... gostei =)

Victor Hugo disse...

Eu não sou bom para títulos. Confesso.

Mas deixa-me que te diga, Lviz, que tu és bom na tua arte - seja com as palavras, seja com ilustrações (pelo menos foram estas que até agora apreciei).

"Furor" não é um mau título, mas olha que se este poema não tiver título mas abertura de interpretação (livre) deixa para o leitor. Pelo menos é assim que penso, mas o artista faz o que entender.

Os títulos em alguma arte não é, a meu ver, favorável. Seja numa pintura, numa escultura, numa música... (claro, que há obras que o título favorece o entendimento). Tomemos o exemplo da música clássica/contemporânea (a tal erudita (conceito que evito)). A maior parte das obras não têm um título explicativo, ou poetico, mas antes um título meramente identificativo, como Opus 4, Sinfonia 9, etc. Dizem os entendidos (not me) que tal disignação só favorece a livre interpretação dos ouvintes, e todos os sentimentos serão pura comunicação com a música. Ora, eu só concordo com esta afirmação!

Mas, em relação ao teu poema... gostei, e a ilustração completa o ambiente que evocaste. Mas posso esperar pela ilustração que te encomendei (eheh)... sem pressa, Lviz. Temos tempo.

Tudo bom e continua a mandar cá para fora este tipo de palavras... elas são-me bastante familiares, embora remotas, já que de mim já foram explidas palavras semelhantes.

Victor Hugo

quETzalcoatl disse...

os teus textos partem a casa toda!!!


www.movimento-xexe.blogspot.com

Anónimo disse...

a ilustração está linda! gostava de ter uma para mim . Quanto queres?

Lviz disse...

olá anónimo...

obrigado plo comentário positivo! =)
em relaçao à imagem, se quiseres eu posso imprimir numa gráfica e levo-te apenas o preço da impressão+portes de envio. se estiveres interessado(a) deixa-me um email por onde possamos falar ou envia mail para:
mysantropic-contradiction@hotmail.com

cumprimentos,
Lviz